Pesquise

terça-feira, 29 de março de 2011

TENTANDO AMAR VOCÊ

quando eu te vi
pela primeira vez
eu logo vi que o meu coração
se apaixonou por ti
tentei resistir, mas o meu coração
não quis me ouvir
e te falei do meu amor por você
mas você não quis nem saber
do meu amor por você
disse que não tinha nada a ver
que eu estava era de brincadeira
que mesmo assim você não me conhecia
disse que eu estava usando da poesia pra te convencer
e em outras palavras você disse não ao meu coração
e assim eu só me machuquei
e assim eu só me feri
tentando amar você
e assim eu só me feri
e assim eu só me machuquei
tentando amar você
mas mesmo assim o meu coração ainda pensa em ti
Refrão:
então existe uma razão pro meu coração
não querer desistir de ti
então existe uma razão pro meu coração
não querer desistir de ti

sábado, 26 de março de 2011

FOI NO MIUDINHO



foi no miudinho
foi no miudinho
foi no miudinho
que você me levou
foi no miudinho
foi no miudinho
foi no miudinho
que você me levou


foi você quem me convidou
pra este rasta pé
com o olhar de menina
e o coração de mulher

foi no miudinho
foi no miudinho
foi no miudinho
que você me levou
foi no miudinho
foi no miudinho
foi no miudinho
que você me levou

muita gente no salão
neste rasta pé
perna com perna coxa com coxa
tão pertinho do teu coração
de um canto a outro do salão
neste rasta pé
bem no cantinho, tão apertadinho
nos braços dessa mulher

Ref. foi no miudinho
foi no miudinho
foi no miudinho
que você me levou
foi no miudinho
foi no miudinho
foi no miudinho
que você me levou

o cheiro do teu corpo
o balançar da tua saia
neste remelexo foi de cair o queixo
você nesta blusa tomara que caia

Ref. foi no miudinho
foi no miudinho
foi no miudinho
que você me levou
foi no miudinho
foi no miudinho
foi no miudinho
que você me levou


sexta-feira, 25 de março de 2011

DEIXE-ME

LETRA:
parado no caminho
no mesmo lugar
e o tempo passando
e você me olhando
não me olhe assim
querendo saber quem eu sou
não me olhe assim
querendo dizer quem é você
não conheço esse teu olhar
e nem esse teu sorriso
se estou aqui não sei
de onde vim e nem pra onde vou
se pra você eu nada fui pra você nada sou
se achas que estou louco
 DEIXE-ME COM A MINHA LOUCURA,
TALVEZ ASSIM QUEM SABE EU SEJA FELIZ
TALVEZ ASSIM QUEM SABE EU SEJA FELIZ
não me mostre os teus lábios
pra  me fazer lembrar se um dia eu já  te beijei
e nem o teu corpo nú
pra me fazer lembrar se um dia eu já te amei
não me fale de você porque não sei falar de mim
não me procure entre as suas coisas se nunca eu estive ai
se achas que eu estou louco
DEIXE-ME COM A MINHA LOUCURA
TALVEZ ASSIM QUEM SABE EU SEJA FELIZ
TALVEZ ASSIM QUEM SABE EU SEJA FELIZ
se eu olhar pra você ignore
se eu sorri talvez não seja pra você
se eu chorar não enxugue as minhas lágrimas
se eu quiser ficar eu fico
se eu quiser ir eu vou
não me fales de amores e nem de dores
se achas que eu estou louco
DEIXE-ME COM A MINHA LOUCURA
TALVEZ ASSIM QUEM SABE EU SEJA FELIZ
TALVEZ ASSIM QUEM SABE EU SEJA FELIZ
s

quarta-feira, 23 de março de 2011

VELHO RIO POTI

LETRA: VELHO RIO POTI
 Autor Emídio Mendes

Rio Poti, as tuas águas deságuam por ai
Na minha terra, na minha terra Piauí
Na minha terra, na minha terra  Piauí
Rio Poti, eu cresci por ai, correndo nas margens,
e nas tuas coroas
Banhando nas tuas águas, nas tuas águas
Ah, que vida boa, que vida boa
Rio Poti, eu sei que sofres por ai
Eu tenho medo que amanhã não esteja mais desse jeito,
de outro jeito, sem jeito,  sem jeito, sem jeito
Mas se todos fizerem alguma coisa por  ti
Ainda tem jeito, mesmo desse jeito,
ainda tem jeito, mesmo desse jeito
Rio Poti, algum tempo já passou
E ainda corre por ai, velho, velho, velho rio Poti
Mesmo velho, mas ainda corre por ai, mesmo  velho, 
Velho  rio Poti
Rio Poti, às tuas águas corre por ai
Na minha terra, na minha terra Piauí
Na minha terra, na minha terra Piauí
Às tuas águas se juntam a outras águas
E descem por ai, e entre lágrimas e águas
Se perde no mar, se perde no mar, rio poti

Ás tuas águas deságuam por ai
Na minha terra, na minha terra Piauí
Na minha terra, na minha terra  Piauí
Rio Poti, eu cresci por ai, correndo nas margens,
e nas tuas coroas
Banhando nas tuas águas, nas tuas águas
Ah, que vida boa, que vida boa
Rio Poti, eu sei que sofres por ai
Eu tenho medo que amanhã não esteja mais desse jeito,
de outro jeito, sem jeito,  sem jeito, sem jeito
Mas se todos fizerem alguma coisa por  ti
Ainda tem jeito, mesmo desse jeito,
ainda tem jeito, mesmo desse jeito
Rio Poti, algum tempo já passou
E ainda corre por ai, velho, velho, velho rio Poti
Mesmo velho, ainda corre por ai, mesmo  velho, velho rio poti
Às tuas águas corre por ai
Na minha terra, na minha terra Piauí
na minha terra, na minha terra piaui
Às tuas águas se juntam a outras águas
E descem por ai, e entre lágrimas e águas
Se perde no mar, se perde no mar, rio poti

Ô MEU RAPAZ

LETRA: Ô MEU RAPAZ
Autor: Emídio Mendes

Ô meu rapaz venha cá
Escute a minha historia que eu vou lhe contar
Eu que trabalhei tanto nesse lugar
Pra ter as coisas e um dia me casar
Num belo dia me vi apaixonar
Pela morena mais linda do lugar
E com ela eu vim me casar
Aumentei o meu roçado
Comprei umas vaquinhas, umas cabras e umas galinhas
Fiz paiol de arroz, de feijão e de farinha
Arrumei tudo na nossa casinha
Tudo ia muito bem
De nada eu tinha que reclamar
Mas de repente vi tudo desmoronar
Do céu a chuva não caia
No roçado nada nascia
Os animais só diminuíam
E para piorar a morena não quis mais comigo morar

Refão: ô meu rapaz, ô meu rapaz
            É de saudade da morena que eu sofro mais
            ô meu rapaz, ô meu rapaz
            É de saudade da morena que eu sofro mais

Hoje não tenho nada, nem mesmo onde morar
Sem o amor da morena que com outro foi morar
Hoje só me resta lembrar do meu roçado
Das vaquinhas, das cabras e das galinhas
Do meu cavalo ligeiro que era o carrocinha
Quando eu me lembro do meu roçado
O milho embonecando, o feijão embageando, o arroz fulorando
E a morena me animando
Hoje choro de saudade daquela morena que ainda estou amando
Ref     ô meu rapaz, ô meu rapaz
            É de saudade da morena que eu sofro mais
            ô meu rapaz, ô meu rapaz
            É de saudade da morena que eu sofro mais

Ô meu rapaz me diga agora
Se você entendeu a minha historia
Se não entendeu não lhe conto mais
Mas é de saudade da morena que eu sofro mais

Ref     ô meu rapaz, ô meu rapaz
            É de saudade da morena que eu sofro mais
            ô meu rapaz, ô meu rapaz
            É de saudade da morena que eu sofro mais

VIVA O PIAUI, VIVA

LETRA: VIVA O PIAUI, VIVA
Autor compositor Emídio Mendes

Piauí terra querida
Sob o céu de imortal claridade
Nosso sangue vertemos por ti
Vendo a pátria pedir liberdade
O primeiro que luta é o Piauí

Refrão Viva o Piauí, viva
Viva o Piauí, viva
Viva o Piauí

Se você não conhece aqui
Não adiante nem criticar
Deixe tudo entre nós
Deixe tudo entre nós
Aqui também sabemos sorri
Aqui também sabemos sentir
Aqui também sabemos amar
No Piauí..

 Refrão¨Viva o Piauí, viva
Viva o Piauí, viva
Viva o Piauí

Aqui também temos rios
Que correm para o mar
Levando a saudade daqui
levando a saudade daqui
Também é feliz quem mora aqui
No Piauí.

Refrão¨Viva o Piauí, viva
Viva o Piauí, viva
Viva o Piaui
Piauí de Gregório Azevedo
O primeiro governador nomeado pelo o imperador
Piauí de Costa e Silva o poeta criador
Piauí de Alberto Silva o engenheiro construtor
Piauí de Petrônio Portela
Hugo Napoleão
Conselheiro Saraiva
Teresa Cristina
Lucidio Portela
Piauí do homem americano
Do negro
Do cabeça de cuia
Do bumba meu boi
Piauí de todos ...

Refrão Viva o Piauí, viva
Viva o Piauí, viva
Viva o Piauí

DE QUEM É ESSE JEGUE, MOÇO


Letra:DE QUEM É ESSE JEGUE MOÇO
Autor:Compositor Emídio Mendes

Sou vaqueiro da fazenda ribeirão
Numa das minhas vaqueiramas
Lá para bandas do riachão
Montado no meu cavalo manhoso
Caçando o boi mimoso
Lá encontrei um jegue                                                                                 
Numa tremenda discanceira
Cochilando debaixo de um pé de capucaieira
Arrudiei o jogue pra saber de quem era que era
Mas o jogue não tinha marca
Só um chocalho do pescoço
E um ferimento no dorso
Tive pena do jegue e toquei pelo estradão
Sem saber de quem era o jogue
Sai por ai perguntado assim

Ref : de quem é esse jegue moço
          De quem é esse jegue moço
          Sem cangalha e sem cela
          Totalmente no osso

Encontrei o vaqueiro João
Da fazenda chapadão
Ele também não conheceu o jegue sabe como é que é
Disse que o jegue só tem a marca do menino de Nazeré
E sem saber de quem é que era
Sair por ai tocando o jegue e perguntando assim

Ref : de quem é esse jegue moço
          De quem é esse jegue moço
          Sem cangalha e sem cela
          Totalmente no osso

Encontrei o vaqueiro Mané Quelé
Da fazenda Gaucho pé
Ele também não conheceu o jegue sabe como é que é
Disse que o jegue poderia ser de Maria ou de José
E sem saber de quem é que era
Sair por ai tocando o jegue e perguntando assim
Ref : de quem é esse jegue moço
          De quem é esse jegue moço
          Sem cangalha e sem cela
          Totalmente no osso

Chequei em casa tocando o jegue
A minha senhora me esperava no terreiro
Desapiei do meu cavalo ela veio me dar um cheiro
Disse que já estava com saudade desse seu velho vaqueiro
Disse que já estava com saudade desse seu velho vaqueiro

Primeiro foram as bicicletas
Depois foram as motos
Agora ninguém quer mais saber dos jegues
Sabe como é que é
Mas os jegues são importantes
Já transportaram o menino de Nazeré
Os jegues não é só de Maria e nem só de José

Ref : Mas de quem é esse jegue moço
          De quem é esse jegue moço
          Sem cangalha e sem cela
          Totalmente no osso

Ô LUA DA MINHA RUA

hoje já faz um mês que ELA foi embora
jurando não mais voltar, não mais voltar pra mim
e eu aqui agora na minha rua olhando a lua
sofrendo morrendo de saudade sua

Refrão:
ô lua da minha rua
fala pra ela que estou sofrendo
que estou morrendo de saudade dela

ô lua da minha rua
fala pra ela que estou sofrendo
que estou morrendo de saudade dela


fala que tudo aqui é solidão sem ela
fala que o meu coração só pensa nela
fala que a minha vida é tão triste sem ela
pede pra ela voltar, voltar pra mim


Refrão:
ô lua da minha rua
fala pra ela que estou sofrendo
que estou morrendo de saudade dela
ô lua da minha rua
fala pra ela que estou sofrendo
que estou morrendo de saudade dela


fala que as minhas noites são tão tristes sem sela
fala toda noite eu só sonho com ela
fala que as coisas dela ainda estão nos mesmo lugares
assim como eu esperando ela voltar

Refrão:
ô lua da minha rua
fala pra ela que estou sofrendo
que estou morrendo de saudade dela
ô lua da minha rua
fala pra ela que estou sofrendo
que estou morrendo de saudade dela

O SONHO QUE SONHEI

dormi pensando em você
sonhei contigo
você pediu pra eu não sofrer
que também me ama
que também me ama
e eu acreditei no sonho que sonhei
no sonho que sonhei
que ficou em mim
que ficou em mim
você disse pra eu não sofrer
que também me ama
que também me ama
e eu acreditei no sonho que sonhei
no sonho que sonhei
e se não for verdade o sonho que sonhei
como vou dizer que não sonhei, se sonhei e como sonhei
e se não for verdade o sonho que sonhei
que ficou em mim
como dizer que sonhei, se não sonhei 
e eu acreditei no sonho que sonhei
no sonho que sonhei
que ficou em mim
você disse que haverá sempre uma amanhã
e que tudo pode acontecer
o sonho que sonhei
e eu acreditei no sonho que sonhei
que ficou em mim
e se for verdade o sonho que sonhei
como dizer que não é verdade, se sonhei, e somo sonhei